SABEDORIA E DISCERNIMENTO

Estes são dois substantivos que devem definir as nossas ações e reações nesse tempo tão estranho, difícil e confuso. Há muitas informações. Precisamos de sabedoria (o conhecimento que vem do alto, de Deus) e discernimento (a capacidade de olhar para dentro do espírito das coisas). É a sabedoria que gera o discernimento. Como ensina Paulo, precisamos examinar tudo e reter o que é bom, que edifica, constrói, traz crescimento e saúde espiritual, emocional, ética e física (1 Tessalonicenses 5.21). Precisamos ter muito cuidado com o que ouvimos e vemos. Muita sabedoria no falar. Discernimento no julgar as circunstâncias. Mais do que nunca precisamos de sabedoria e discernimento para ajudarmos, aconselharmos, encorajarmos, criarmos, servirmos, informarmos e tomarmos decisões. Façamos de Provérbios e Mateus 5, 6 e 7 ( o Sermão do Monte) as nossas leituras diárias. Aproveitemos o tempo para lermos toda a Bíblia, decorarmos textos-chave, ouvirmos e vermos mensagens que edificam, lermos excelentes livros, dialogarmos com os familiares, contarmos aos filhos os grandes feitos de Deus na História e investirmos tempo em oração constante. Procuremos ajudar quem precisa. Exerçamos a solidariedade. Que o Senhor nos trate, tirando-nos do egoísmo e nos transportando para o altruísmo.
A sabedoria e o discernimento temperados com amor fazem verdadeiras mudanças em nossa cosmovisão ou visão de mundo. Produzem uma excelente saúde relacional.
Como alguém sabiamente diz: "Quando alguém errar abra mais os braços do que a boca. O mundo tem muita opinião e pouco acolhimento".
Aproveitemos esse tempo para reflexão, revermos posturas, pedirmos perdão, construirmos, reconstruirmos. Esse é um tempo precioso de aprendizado. Um tempo para nos esvaziarmos de sentimentos ruins.
É uma oportunidade de investirmos no treinamento pessoal. Um tempo de mexermos nos guarda-roupas e tirarmos coisas que não usamos e que são usáveis para serem doadas.
A sabedoria e o discernimento nos levam fatalmente a um fortalecimento da família. Também é um período propício para exercermos a gratidão. Um tempo para ser muito bem aproveitado na construção pontes e não muros. Para semearmos as flores que embelezarão e perfumarão a vida das pessoas.
Esse não é o tempo do movimento, de pressa, ansiedade, medo, mas de quietude, pararmos, descansarmos e termos coragem para vivermos cada dia como Jesus ensinou em Mateus 6.25-34.
A sabedoria e o discernimento devem ser exercidos com o amor incondicional, o amor de Cristo Jesus. O amor que produz coerência.
Mais uma vez, tendo sabedoria e discernimento temperados com amor, vivamos o hoje. O amanhã não sabemos, mas Deus sabe. Isto é o que importa. Vivamos assim!

Oswaldo Luiz Gomes Jacob

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.