SIM, SIM. NÃO, NÃO

Seja, porém, o vosso falar sim, sim; não, não; pois o que passa disso vem do Maligno” (Mt 5.37)

Os discípulos de Jesus estão comprometidos com a verdade. É inadmissível pessoas que se dizem crentes não honrarem a palavra dada. A nossa palavra deve ser sempre verdadeira e não mentirosa. Há muitos que entram e saem dos templos que são descaradamente mentirosos, não falam a verdade e agem com falsidade. É impressionante os que se dizem evangélicos que têm uma vida desonesta, cheia de falcatruas e dissimulações. A mentira e a falta de seriedade nos compromissos assumidos são “normais” na vida de muitos membros de nossas igrejas.

Certamente os chamados evangélicos ou do movimento gospel fazem uma dicotomia ou separação entre a vida na igreja e fora da igreja. O testemunho dos que se intitulam evangélicos é sofrível, horrível e nojento. Aliás, esse nome está mais sujo do que pau de galinheiro. Inclusive há muitos elementos que estão na liderança de igrejas criadas a partir de uma rebeldia contra a sua denominação de origem. Temos em muitas comunidades líderes mentirosos, dissimulados, desonestos, que não honram seus compromissos financeiros, envergonhando a família e a igreja. Perderam a autoridade.

O homem e a mulher de Deus, que possuem o caráter de Cristo, são coerentes, corretos em suas transações e respeitados em suas igrejas e nas comunidades onde elas estão inseridas. Paulo, numa das suas recomendações ao jovem pastor Timóteo, diz: “Ninguém menospreze por seres jovem, mas procura ser o exemplo para os fiéis, na palavra, no comportamento, no amor, na fé e na pureza(1 Tm 4.12). O homem de Deus deve ser sempre um referencial de integridade a toda a prova. Ele não se mete com política, não faz conchavos com políticos e nem com instituições que vão drenar o seu tempo precioso que deve ser dedicado à oração, ao estudo das Escrituras e ao cuidado do rebanho.

Os crentes, a começar dos líderes, devem ter coerência em tudo o que pensam, dizem e fazem. Existe uma esquizofrenia em muitos que se dizem evangélicos. Eles têm uma mente dividida. Paulo nos ensina que nós “temos a mente de Cristo” (1 Co 2.16). A mente de Cristo é integral, saudável, criativa e comprometida com a verdade. Todos os dias devemos dizer: “sim, sim; não, não”. O evangélico, e não o religioso de carteirinha, é aquele que nasceu de novo, foi regenerado e vive a vida de Cristo neste mundo. Não essa coisa vergonhosa que temos presenciado, inclusive com políticos chamados evangélicos mergulhados na corrupção. O religioso, segundo o ensino do Senhor Jesus, usa de mentira, de faltar com a verdade (João 8.44).

Sejamos semelhantes ao Senhor Jesus, que sempre falou a verdade em amor. Rejeitemos veementemente toda a forma de mentira, desonestidade, falcatruas e dissimulação. Sejamos crentes da Palavra e de palavra. Falemos sempre a verdade olhando nos olhos do nosso interlocutor. Não compactuemos com o erro, com jeitinho e com a hipocrisia tão característicos em nossa sociedade. Temos um compromisso inalienável e inadiável com a verdade doa a quem doer. Fazendo assim, teremos famílias santas, uma igreja relevante e uma sociedade melhor. Obedeçamos à ordem do nosso Salvador, Senhor e Mestre para que o nome do Pai seja glorificado!

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.