A IMAGEM PASTORAL

Será que existe uma imagem pastoral ou a imagem de Cristo na vida do pastor? O pastor é um elitista ou um operário do múnus profético? Suas mãos são finas ou grossas? Ele é um cooperador ou um ordenador? Ele trabalha com o povo ou põe o povo para trabalhar e fica admirando? Ele pega no pesado ou faz corpo mole? Ele está no meio do povo ou distante dele? Ele é relacional ou funcional? É uma pessoa ou uma instituição? Qual é, afinal de contas, o perfil do pastor do Novo Testamento? Ele busca viver no luxo ou na simplicidade de Cristo? Ele gosta do pódio ou do chão? Ele é acessível ou inacessível? Essas perguntas acima nos levam a uma reflexão sobre a imagem pastoral como a imagem de Cristo, Aquele que é manso e humilde de coração e que não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate de muitos (Cf. Mt 11.29; 20.28).

A imagem do pastor não se coaduna com luxo, acumulo de propriedades e investimentos em mercado de capitais. Não se relaciona com arrogância, síndrome de pequeno deus e nem com conquista e manutenção de feudos. O pastor, chamado por Deus como homem comum para um trabalho extraordinário, é um ser humano que busca ardentemente a semelhança com Cristo Jesus, nosso Pastor supremo. O Senhor Jesus é o nosso modelo de pastor: Ele deixou a glória dos céus para viver entre nós e por nós; humilhou-se a si mesmo, tomou a forma de servo e morreu na cruz por nós; ele curou pessoas; levantou abatidos; viveu entre os párias da sociedade; comeu com publicanos e pecadores; perdoou a mulher adultera; treinou 12 homens para a expansão do Reino do Pai. Ele é o nosso exemplo de benignidade e bondade; amor e solidariedade; empatia e simpatia; graça e perdão; justiça e verdade.

A imagem pastoral de Jesus não se encaixa com politicagem, acepção de pessoas, bajulação, jogo de interesses, cargos, manobras, hipocrisia, rejeição; critica ferina; inveja, maldade, frieza, injustiça, calúnia, juízo temerário, etc. Tem sido sofrível conviver com pastores voltados somente para a busca dos seus interesses pessoais e corporativos, e não são capazes de cooperar com os companheiros de ministério. Confesso que, para mim, tem sido sofrível ver tanta imaturidade, brincadeiras de mal gosto, piadas sem graça, linguajar mundano, falta de seriedade com as coisas de Deus, despreparo e tantas outras coisas que não fazem parte do ministério pastoral que nos foi outorgado pelo Senhor, somente por Sua graça (Cf. 1 Co 15.10).

Somos pastores para a oração, o estudo sistemático das Escrituras, o cuidado da família e do rebanho. Homens que buscam o aperfeiçoamento contínuo e proveitoso. Não somos profissionais, mas vocacionais. Ministério não é vacação, mas vocação. Fomos chamados para servir e não para sermos servidos. Para ajudar o povo nas suas necessidades. Pastores que amam mais o Senhor do que as suas próprias vidas (Cf. At 20.24). A imagem do pastor, biblicamente falando, é a de Cristo. Para o verdadeiro pastor o viver é Cristo e o morrer é lucro (Fil 1.21). O pastor de verdade tem prazer em Deus e não vive buscando holofotes, fama e glória para si mesmo. Ele credita tudo o que recebe Àquele que o chamou para uma obra extraordinária. Uma obra sublime para homens tão comuns.

A imagem do pastor não está ligada a bajulação de autoridades. Ele é um profeta que recebeu de Deus a tarefa de denunciar o erro, pregar a Cristo e encorajar as pessoas. Ele não é um mascote, mas um profeta de Deus para pregar toda a Palavra em todo o tempo doa a quem doer. Ele não se acovarda diante do perigo. Ele está comprometido com todos os irmãos, pois não faz acepção. Ele é o apascentador de todos. Jesus ordenou a Pedro: “apascenta das minhas ovelhas” (Cf. João 21.17). As ovelhas não são do pastor humano, mas do pastor divino. O pastor é evangelista, mestre, edificador, encorajador ou motivador, conselheiro e exerce um ministério de solidariedade muito forte na igreja e fora dela.

Que a imagem de cada pastor seja a de Cristo, o Senhor. Todo pastor genuíno olhará sempre para Jesus, o Autor e Consumador da fé (Cf. Hb 12.2). Ele terá em Cristo Jesus o motivo maior do seu ministério. Como Jesus, cada pastor deve andar por toda parte fazendo o bem às pessoas (Cf. At 10.38). A imagem do pastor é a do homem firme nas doutrinas; amoroso e criativo nos relacionamentos, cordato, amigo, benfeitor, facilitador, evangelista e conciliador. Ele deve viver com o coração sincero, falando toda a verdade em amor, crescendo no cabeça que é Cristo Jesus. O Senhor requer de nós o padrão bíblico para o ministério. A Bíblia é o nosso manual de vida pastoral e de ministério estratégico. Que a imagem do pastor seja regulada pelas Escrituras. Que o povo nos veja como homens comuns, falhos, com limitações e erros, mas como aqueles que desejam, acima de tudo, glorificar Aquele que os chamou pelos méritos de Cristo Jesus.

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.