ORANDO NOS SALMOS (2)

Cultuai o Senhor com temor e regozijai-vos com tremor (Salmos 2.11).

Pai, a Tua Palavra nos ensina a cultuá-lO. Tu Te revelas a nós como Senhor, revestido de glória e majestade na Pessoa de Cristo. Louvado seja sempre o Teu nome! Senhor, como Davi, mesmo que eu esteja em fuga, ensina-me a cultuar-Te, a servir-Te, a labutar para Ti por causa de Ti mesmo. Tu és o Jeová Jiré – o Senhor que provê motivado por Tua fidelidade e por Teu amor. Tu és Deus, Aquele que existe em Si mesmo e não depende de ninguém para existir. Tu és o eixo de Si mesmo. Tu és o Grande Eu Sou (Ex 3.14). Tu és a nossa Suficiência seja qual for a circunstância.

Aprendemos com Davi que devemos cultuá-lO com temor e tremor, com reverência, com muita seriedade, profundo respeito. Que devemos nos alegrar em Ti, estar contentes em toda e qualquer situação. Na verdade, a nossa alegria em Ti deve ser uma alegria reverente, piedosa e santa. Nosso amado Jeová, Senhor nosso, nos ajude a entender pela fé a Tua grandeza. Que sejamos obedientes em todo tempo. Santos em todo o nosso procedimento (1 Pe 1.16). Tu queres que sejamos Teus imitadores como filhos amados para andarmos em amor como Cristo nos amou e a Si mesmo se entregou por nós a Ti como oferta e sacrifício com aroma suave (Ef 5.1,2).

Na oração sincera, do coração, das entranhas fervilhando de amor por Ti, Tu estás presente e ouves as petições. Mas antes das petições, Senhor, desejamos adorar-Te na beleza da Tua santidade. Reconhecer que mesmo que sejamos infiéis Tu permaneces fiel, pois não podes negar-Te a Ti mesmo (2 Tm 2.13). O nosso coração aspira a comunhão com o Senhor pela Revelação, por Tua Palavra e pela oração. Tu te agradas e não desprezas quando vês um coração quebrantado e contrito (Sl 51.17). É para este coração que Tu olhas com muito interesse.

Agradecemos-Te, precioso Jeová, por Tua provisão e proteção em Cristo Jesus! Como é bom podermos colocar a nossa confiança em Ti, na Tua perfeita suficiência. Nada, absolutamente nada, falta àqueles que Te buscam, Te amam e desejam fazer a Tua vontade. Davi testemunhou que o justo – aquele que foi justificado pela fé na obra de Cristo na cruz e na ressurreição -, não fica desamparado e nem a sua descendência mendiga o pão (Sl 37.25). Que aprendamos sempre a ser gratos a Ti pela tão grande salvação, pelo sustento e pela proteção! Recebas, Senhor, o nosso louvor por quem Tu és, Deus bendito eternamente!

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

1 comentário em “ORANDO NOS SALMOS (2)”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.