RELACIONAMENTO – UMA ARTE QUE ESTÁ SE PERDENDO

Vivemos num tempo de tecnologia ultramoderna. Nunca, em toda a história da raça humana, o homem se comunicou com tanta facilidade através de tecnologias hiper avançadas. Ao mesmo tempo, nunca o homem esteve tão robotizado, alienado, solitário e ensimesmado como em nossos dias, com muita dificuldade de sentar, olhar nos olhos e conversar com o próximo. Na era da comunicação fácil temos tanta dificuldade de nos comunicar com qualidade. Quanta gente dominada pelas máquinas, interagindo com elas e se esquecendo do próximo. Vivemos um tempo de muita insensibilidade, falta de solidariedade e generosidade.

O nosso grande desafio é nos relacionarmos em amor, compreendendo o próximo no mundo e o irmão no ambiente do Reino e na Igreja. O Senhor quer que aceitemos o irmão sem carimbarmos seus pecados. Orar por ele sem legalismo. Precisamos entender o irmão no seu temperamento, no seu caráter, enfim, na sua personalidade. Devemos evitar a todo o custo o julgamento conforme o ensino de Jesus (Mt 7.1-5). Somos diferentes, mas o amor de Deus nos une de forma extraordinária. Jesus orou para que fôssemos UM, como Ele e o Pai são UM (João 17.20-23). Em nossa diversidade encontramos, em Cristo Jesus, a nossa unidade, o nosso ponto comum e a nossa missão.

Sabemos que o relacionamento como arte, beleza, criatividade, como benção tem se perdido. Por várias razões, tais como tempo, atividades, trabalho, distância, condições financeiras, diferenças sociais, egoísmo, opiniões, foco, interesses, prioridades. O mundo tem desenvolvido mecanismos de influência perversa e muita gente em nossas igrejas tem sido afetada violentamente. Temos três inimigos ferozes: o mundo, a carne e o diabo (1 João 2.15-17; 5.19). Nossos relacionamentos têm sido sofríveis, formais e, muitas vezes, interesseiros. Precisamos resgatar os nossos valores do Reino de Deus. A nossa comunicação deve está fundamentada na unidade da Trindade de Deus. O Pai, o Filho e o Espírito Santo são UM. Esta é a base muito sólida, indestrutível dos nossos relacionamentos.

Um mundo perdido é constituído de gente perdida e influencia mais pessoas perdidas em seus comportamentos desajustados, doentios e maliciosos a partir da natureza má e perversa de Adão. Morremos em Adão, mas passamos a viver em Cristo Jesus, na Sua morte e ressurreição. Em Adão, na carne, nossos relacionamentos são conflituosos, odiosos e maliciosos (Gl 5.19-21). As nossas relações podem ser restauradas a partir de Cristo, no Seu amor e na Sua graça e passamos a viver no Espírito (Gl 5.22,23). Então, se vivemos na carne, temos muitas dificuldades de estabelecermos relações puras e saudáveis, mas se vivemos no Espírito as nossas relações fluem, sendo altamente abençoadoras.

Não permitamos que os nossos relacionamentos se percam. Que em nossas relações sejamos construtores de pontes que ligam e aproximam e não de muros que separam e afastam as pessoas. Cresçamos no conhecimento do Senhor e do nosso irmão. Quanto aos de fora, devemos amá-los com o amor do Senhor, testemunhando a nossa fé em Cristo Jesus, sempre fazendo o bem. O nosso testemunho deve ser contundente, pois não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido (At 4.19,20). Sejamos pessoas amorosas, relacionáveis, perdoadoras, servidoras, amigas de verdade, sinceras, compreensivas, mansas, sábias, de pouco falar, de ouvir mais, humildes e profundamente comprometidas com o Senhor, com Sua Palavra, família, igreja e com a evangelização do mundo até que Ele volte. Que o Pai seja glorificado em nossas relações!

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.