JESUS CRISTO, O MÉDICO DOS MÉDICOS

E percorria Jesus toda a Galiléia, ensinando nas suas sinagogas e pregando o Evangelho do Reino, e CURANDO todas as enfermidades e moléstias entre o povo”. (Mateus 4.23).

O Senhor Jesus Cristo não curou todos os enfermos de Sua época e não cura todos hoje. Por que razão? Sua soberania?A falta de fé do enfermo? Ele é soberano e muitos não crêem nEle. Todavia, todos os que crêem em Sua existência sabem que Ele tem todo o poder para curar. Onde acabam ou se esgotam todos os recursos da ciência aí começa o Seu poder de restaurar totalmente o enfermo, de reverter o quadro que, do ponto de vista humano, é irreversível.

Ele enxerga além do exterior, além dos exames mais sofisticados, além do cirurgião que abre ou opera o paciente. Vislumbra as entranhas mais profundas, olha com exatidão os porões do subconsciente. Percebe nitidamente a divisão da alma e espírito, discernindo pensamentos e intenções do coração (Hb 4.12).

O Mestre, Salvador e Senhor vai muito além da capacidade humana. Ele percebe, por exemplo, que uma enfermidade tem origem nas amarguras, ressentimentos, traumas, violações, rejeições, violência, perdas não assimiladas, etc. São as chamadas doenças psicossomáticas. Há situações em que o médico ou a médica não consegue ver, mas o Mestre as observa perfeitamente. Na época do Senhor Jesus havia uma mulher sofrendo com hemorragia durante doze anos e os médicos da época, da sua região, não conseguiram curá-la. Ela gastou todas as suas economias com eles (Mc 5.21-34). Esgotaram-se os recursos humanos. Ela apenas tocou a orla das vestes de Jesus e ficou totalmente curada.

Como Médico dos médicos, Ele vê as intenções do coração. Ele sabe que o ódio, o egoísmo, o orgulho, a autossuficiência, a maldade, a vingança, a inveja, a futilidade, a ganância, a violência, a imoralidade, a desobediência, a rebelião, a maledicência, a amargura, o ressentimento, o ensimesmar-se, a volúpia pelo ter ou o consumismo, a ansiedade, a mentira são sintomas da enfermidade do coração humano, herdada de Adão.

Jesus Cristo sabe que o homem tem uma cardiopatia congênita, e a indicação é o transplante. Só Ele pode fazer a troca do coração, sede das emoções, sentimentos, da vontade, das decisões. Por esta razão o profeta Jeremias disse: “ENGANOSO É O CORAÇÃO, MAIS DO QUE TODAS AS COISAS, E PERVERSO: QUEM O CONHECERÁ? EU, O SENHOR, ESQUADRINHO (EXAMINO, SONDO) O CORAÇÃO, EU PROVO (EXAMINO, SONDO) OS RINS: E ISTO PARA DAR A CADA UM SEGUNDO O FRUTO DAS SUAS AÇÕES” (17.9,10). O Rei Davi, rei de Israel, declarou: “Em pecado fui formado, em pecado me concebeu minha mãe” (Sl 51.5). O rei sabia muito bem que o homem já nasce em pecado. Está no seu DNA.

Jesus Cristo nos dá o remédio para a cura. Os componentes são, a partir dEle: “humildade, quebrantamento, mansidão, fome e sede de justiça, misericórdia, pureza de coração, paz, paciência nos tempos difíceis, alegria diante dos que nos fazem sofrer (Mt 5.1-12). Todos amalgamados pelo amor que vem dEle. Na verdade o próprio Senhor Jesus é o remédio completo para a nossa enfermidade herdada – a natureza perversa, má. Ele nos deixou as Escrituras como um Manual de Orientação para toda a vida. As Escrituras expõem o diagnóstico e o prognóstico.

O Senhor Jesus Cristo, como o Médico dos médicos, nos convida, dizendo: “Vinde a mim todos vós que estais cansados, sobrecarregados, oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrarei descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mt 11.28-30).

Jesus Cristo consegue perfeitamente ouvir a nossa dor, Ele sabe a origem da dor. Bendita dor. Dr. Paul Brand, cirurgião de mão, que trabalhava com leprosos na Índia, disse: “Ouça sua dor. É seu corpo falando com você”. Jesus Cristo “levou sobre as nossas enfermidades com as nossas dores” (Is 53).

Hudson Taylor, missionário-médico, cirurgião britânico na China (metade do século 19), declarou: “Meça sua vida pelas perdas e não pelos ganhos; não pelo vinho consumido, mas pelo vinho oferecido, pois a força do amor se põe em sacrifício do amor, e o que mais sofre mais tem pra dar” (Ele perdeu sua filha e sua esposa na China).

O Senhor Jesus Cristo deu a Sua vida por nós na cruz. Ele mesmo disse: “Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Vós, disse Ele, sereis meus amigos se fizerdes o que eu vos mando” (João 15.13,14). O Dr. John White, psiquiatra cristão canadense, já falecido, testemunhou uma grande verdade:

Quanto mais medito na morte de Cristo, tanto mais ela me impressiona. Mas de uma coisa tenho certeza: ela não clama por pena, mas por admiração e assombro, pela maior façanha da história humana, realizada pelo homem mais poderoso e santo da história, o Deus-Homem. Foi a suprema conquista do amor, realizada em função de uma alegria colocada adiante. E nós somos chamados para um compromisso: seguí-lO ao longo do caminho da cruz, ‘fixar os olhos em Jesus’.

Este é o grande desafio dos caminhantes da vereda de Jesus: seguir e servir o Médico incomparável. Entretido nEle. Crer em Sua suficiência!!

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pr.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.