COMO SER FAMÍLIA…

1. Num mundo de imoralidade, onde o que é mais importante é o bem-estar pessoal; é o sentir-se bem mesmo que fira padrões éticos claros; quando as coisas erradas passam a ser “certas”; quando a família é tratada com irrelevância? Olhemos para as leis imorais; para as notícias nos jornais e revistas. Não vivamos um sonho, mas a realidade! Devemos orar e agir com firmeza, sustentados pelo Senhor.

2. Num mundo onde o dinheiro, o prazer, o conforto, o status e o estilismo ou aparência são ovacionados e vivenciados com convicções profundas? Temos vivido mais pelo ter do que ser. Assistindo o Programa da Fátima Bernardes, vi a entrevista de uma jovem casada que revelou gastar R$14.000,00 por mês com roupas. Quanta futilidade!

3. Num mundo onde as drogas estão matando os nossos adolescentes e jovens; e traficantes que ameaçam e tiram bens das famílias em função do consumo de drogas de seus filhos? Muitas famílias vivem o pânico. Para algumas, a perda do filho ou da filha será uma questão de tempo, infelizmente.

4. Num mundo de vaidades, futilidades; das novelas e dos filmes eróticos, da pornografia? Somos tentados a todo instante a vermos coisas inconvenientes. Para alguns, inclusive dentro de nossas igrejas, não tem nada a ver.

5. Num ambiente de escravos de computador, celular e recursos tecnológicos, contribuindo fortemente para a frieza e insensibilidade nos relacionamentos? Estes aparelhos se tornaram “pessoas” e as pessoas se tornaram “aparelhos”, sem sensibilidade, escravas de quem as comanda.

6. Num contexto de alienação em relação aos grandes problemas de nossos dias? Fechamos os olhos, somos um bando de cegos que não queremos ver o caos que nos cerca. Temos os nossos olhos vendados pelo comodismo, egoísmo, pelos nossos medos, por nossa blindagem seja pessoal, seja familiar. Não queremos nos comprometer. Afinal de contas, cada um por si.

7. Quando não temos cumprido nossas respectivas funções no lar? Os nossos ministérios no lar estão comprometidos pela nossa falta de consciência do que seja o lar nas Escrituras. Pais e filhos estão curtindo os seus interesses pessoais em detrimento de projetos de família.

8. Num tempo em que as pessoas estão consumidas pelo consumismo; vivendo o endividamento e profunda ansiedade? Via de regra temos gastado mais do que temos. Somos tomados pela ansiedade do ter, possuir, comprar, etc. Há uma volúpia pelo consumo.

9. Num país de tanta corrupção, desmandos, com políticos medíocres? Somos um dos países mais corruptos do mundo. Os partidos fazem a festa do poder. Dividem o despojo. Repartem o espólio do povo sofrido. Dão esmolas. Oferecem pão e circo para os incautos.

10. Quando na maioria dos lares não há Culto Doméstico, devoção profunda e diálogo entre os seus membros em torno das Escrituras? Estão sendo substituídos pelo deus do entretenimento. O lazer tem ocupado o centro de muitas famílias.

11. Quando não testemunhamos a nossa fé em Cristo de modo contagiante, exuberante e convincente? Nascemos de novo para reproduzirmos a vida de Cristo nos outros. Perdemos a relevância quando deixamos de testemunhar de Cristo.

12. Quando não estamos comprometidos com os valores do Reino de Deus? O amor, a verdade, a justiça, retidão, integridade, pureza, solidariedade, são alguns valores que devemos viver em nosso dia a dia.

13. Quando não estamos comprometidos com o Ide de Jesus (Mt 28.18-20), com a obra missionária, com a fome, com o sofrimento humano e não ensinamos aos nossos filhos a amar profundamente as pessoas e a amar a obra de Deus? Só seremos relevantes como pessoas e famílias se amarmos a Deus de todo o coração, alma e entendimento e ao próximo como a nós mesmos.

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, seu pastor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.