A MINHA GRAÇA TE BASTA (2 Co 12.9)

Enfrentando e vencendo as lutas do Ministério.

Senhor, como é difícil no meio do sofrimento atroz podermos ouvir que a Tua graça nos basta e que o Teu poder se aperfeiçoa na fraqueza! Senhor Jesus, na verdade, nós queremos ser aliviados, e que cesse todo o sofrimento imediatamente. Sabemos, porém, que Tu não trabalhas com base em nossa vontade, mas na vontade do Pai. A Tua vontade é fazer a vontade do Pai. Tu mesmo disseste: “Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do Pai que me enviou é esta: que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia” (João 6.38,39). A Tua glória está na centralidade da vontade soberana do Pai. Esta era uma das razões pelas quais Tu ouviste do Pai: “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo ou tenho todo o prazer” (Mt 3.17).

A Tua Palavra nos ensina que o Pai trabalha para aqueles que nEle esperam (Is 64.4). No meio do nosso sofrimento Tu não estás alienado, mas perfeitamente presente e atuante. Tu és sempre presente na vida dos que Te amam. O nosso coração descansa plenamente em Ti, Senhor! O profeta Isaías testemunhou de Deus Pai, dizendo: Tu conservarás em perfeita paz aquele cuja mente está firme em Ti porque confia em Ti (Is 26.3). O Senhor nos prometeu a Tua paz nas circunstâncias mais difíceis! (João 14.27). Esta paz que vem de Ti deve ser sempre o árbitro em nossos corações (Ef 3.15). Não é a paz como ausência de guerra, mas paz em meio à guerra.

Não deve soar estranho para nós que a Tua graça nos basta! Pelo contrário, a Tua Palavra é verdadeira em nos afirmar o que Tu disseste a Paulo. A dor é muito grande, mas a Tua graça é real e é remédio eficiente. Ela nos ajuda a suportar. Tu atuas de forma perfeita para cumprir todo o propósito do Pai! Então, a Tua graça nos basta, é suficiente, plena, em nosso sofrimento, em nossa dor e em nossas decepções na vida. Tu enfrentaste a dor do nosso pecado quando morreste na cruz. Tu nos substituíste naquele sacrifício cuja dor não tem paralelo. Tu sabes, Senhor Jesus, o que é sofrer! Nossas enfermidades com as nossas dores Tu as levaste em Teu corpo no madeiro (Is 53). Que sofrimento por causa do Teu grande e incomparável amor! Tu és a personificação da graça do Pai!

Ao dizer a Paulo que a “minha graça te basta, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2 Co 12.9), Tu estás fazendo uma lindíssima promessa. De que seremos amadurecidos no sofrimento. Que os nossos ministérios só serão bem sucedidos se confiarmos plenamente em Ti. O Teu poder não opera em nosso poder e nem na nossa suficiência. Ele atua eficazmente em nossa fraqueza, fragilidade e dependência. O que Tu querias dizer a Paulo era que ele podia confiar no Teu poder e que este poder se aperfeiçoaria na sua fraqueza. Esta palavra é a mesma e para sempre. Tu não permites que soframos além do que podemos suportar em nossa natureza humana. Aliás, Tu nos dás sempre o escape quando confiamos plenamente em Ti (1 Co 10.13). Quanto mais graça mais desenvolvemos a nossa insuficiência e, ao mesmo tempo, crescemos em Tua suficiência. A Tua suficiência deve submeter totalmente a nossa pretensa eficiência ministerial. O ministério não depende de nós primariamente, mas de Ti mesmo! O Senhor afirmou aos Teus discípulos que nada eles fariam se não permanecessem em Ti (João 15.5). Mui bendita graça e mui preciosa dependência que operam em nós visando o nosso crescimento, amadurecimento para o testemunho do evangelho e, acima de tudo, para a Glória do nosso Pai, o Autor da nossa salvação!

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.