A Arte da Adoração

Adorar é reconhecer quem é o Senhor. É o ato de ajoelhar-se, prostrar-se em homenagem, em temor e tremor diante dAquele que reúne em Si mesmo toda a perfeição. É a atitude sincera do homem regenerado em relação ao seu Senhor. É dar honra Àquele que a merece, Àquele que tem todo o mérito em Si mesmo. Adorar é avivar a mente, renovar o coração, alimentar o espírito e reconhecer que o corpo é templo do Espírito Santo (1 Co 6.19,20). Devemos sempre adorar a Deus, nosso Pai, em espírito (a natureza da adoração é espiritual) e em verdade (caráter íntegro, sinceridade) Foi assim que Jesus nos ensinou a adorar (João 4.24).

Um dos textos bíblicos bastante pedagógicos nesta direção é Isaias 6.1-8. Aqui o profeta tem o seu chamado para o oficio de anunciar os oráculos de Deus. Há cinco verdades sobre a genuína adoração. A primeira é a posição do Senhor. Ele está num alto e sublime trono. A Sua posição é de soberania, autoridade absoluta, majestade e santidade. É o Deus que tem o total controle de todas as coisas visíveis e invisíveis. A segunda é que os seres celestiais O adoram, os anjos, Seus ministros, reconhecem todos os Seus qualificativos. A terceira é a reação do profeta. Ele reconhece a majestade e a santidade de Deus e, ao mesmo tempo, a sua vileza, impureza, sua desqualificação natural como pecador, bem como a de todo o povo para o qual profetizará. É neste contexto que os seus lábios são purificados pelo Senhor. A quarta é a comunhão entre a Trindade, os anjos e o profeta. Há aqui uma sintonia e sinergia entre o Deus Trino, Seus ministros e o homem, representado aqui pelo profeta. A verdadeira adoração acontece no solo da comunhão. A quinta é a missão que ele recebe do Deus que é Bendito eternamente. O mesmo Deus adorado o comissiona como profeta messiânico. Isaias se apresenta em inteira devoção, entra no centro da vontade de Javé e se dispõe a falar da parte dEle ao Seu povo.

Fico extasiado com o meu Pai Amoroso e Bondoso, pois sendo transcendente –num altíssimo lugar –, Ele é imanente, isto é, está em nós e entre nós por meio do Seu Espírito Santo, se relacionando conosco em perfeito amor. Ele busca adoradores sinceros, autênticos, humildes, comprometidos e cheios de temor por Ele. Ele quer que O glorifiquemos em todas as nossas atitudes. Que O reconheçamos como o Senhor de todos nós. Ele não despreza o coração quebrantado e contrito (Sl 51.17). Ele tem prazer naqueles que fazem toda a Sua vontade em Cristo Jesus. Cresçamos na arte da adoração. Reconheçamos os atributos (qualidades) naturais e morais do nosso Grande Deus, Soberano Senhor, Aquele em quem nos movemos e existimos neste mundo apenas por Sua graça em Cristo Jesus, Seu Filho Unigênito, nosso Salvador e Senhor.

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.