A FORMAÇÃO DE UM DISCÍPULO

Ser discípulo de Jesus é aprender dEle, que é manso e humilde de coração (Mt 11.29). A cada dia viver aos Seus pés é um honra e um prazer imenso. Caminhar com Ele em obediência e gratidão; pureza e humildade; alegria e perseverança; sensibilidade e ética; amor e solidariedade. Não é possível ser discípulo se vivo para mim mesmo e não para o Senhor, contradizendo a Palavra. “Porque nenhum de nós vive para si mesmo, nem morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor. Foi precisamente para esse fim que Cristo morreu e ressurgiu: para ser Senhor tanto de mortos como de vivos”(Rm 14.7-9). Se procuro os meus interesses em vez dos interesses do Senhor estou na contramão do Seu ensino. Se vivo reclamando em vez de agradecendo e louvando, o meu comportamento é meramente religioso. Se vivo ansioso quando devo confiar nEle plenamente (Mt 6.25-34), a minha atitude é de incredulidade. Se estou mais preocupado com as coisas da terra do que com as coisas de cima, do céu, não estou agindo como alguém que conhece o Senhor e tem uma profunda experiência com Ele (Cl 3.1-4). Que desafio é ser um discípulo ou uma discípula de Jesus Cristo! Que honra poder servir ao Senhor aprendendo dEle diariamente como viver de forma bem-sucedida, isto é, uma vida vivida do ponto de vista de Deus Pai.

Aprendemos com as Escrituras que a formação de um discípulo tem a sua base na graça de Deus e o seu método através de homens e mulheres comuns, experimentados para treinarem outros. “Tu, pois, filho meu, fortifica-te na graça que está em Cristo Jesus. E o que de minha parte ouviste através de muitas testemunhas, isso mesmo transmite a homens fiéis e também idôneos para instruir a outros” ( 2 Tm 2.1,2). Os discípulos de Jesus trabalham de forma exaustiva e O tem como o seu modelo. Há muitos religiosos, membros de Igreja, simpáticos à fé, mas poucos, muito poucos discípulos do Mestre, que estão engajados na tarefa sublime de testemunhar de Cristo e fazer discípulos DELE e para ELE (Mt 28.18-20). Paulo estava sofrendo por causa do evangelho, mas ele não abria mão do compromisso de pregar a Cristo crucificado, morto e ressurreto. Esta foi a certeza dele repartida com os irmãos em Corinto. “E eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não o fiz com ostentação de linguagem ou de sabedoria. Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado” (1 Co 2.1-3). No seu testemunho aos irmãos em Roma, o velho apóstolo declarou: “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego” (Rm 1.16).

Cristo Jesus é a razão principal para a prática do discipulado. Enquanto Ele não volta, precisamos ser discípulos e discipuladores ou formadores de pessoas preciosas. Investirmos tempo e recursos na formação espiritual de pessoas é um privilégio. Somos discípulos para que exerçamos o discipulado ou o ensino da Palavra de forma contundente. Fomos salvos por Cristo para reproduzirmos. “Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos” (João 15.5,8). Deus não nos chamou para uma vida de covardia, acomodação, mesmice, mas uma vida de poder, amor e moderação (2 Tm 1.7). Sejamos ganhadores e treinadores de almas preciosas, pessoas pelas quais Cristo morreu.

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pr.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.