OBRA PERFEITA PARA HOMENS IMPERFEITOS

 

A obra que Jesus deixou para a Sua igreja é perfeita. Mas nós, homens, somos imperfeitos. Vivemos a luta entre a vontade de Deus e a nossa vontade, mesmo sabendo que a vontade de Pai é boa, agradável e perfeita (Rm 12.1,2). O Senhor quer que sejamos Seus imitadores como filhos amados e andemos em amor como Cristo nos amou e a Si mesmo se entregou por nós em oferta e sacrifício com aroma suave (Ef 5.1,2). Jesus nos ordenou que fôssemos perfeitos como é perfeito o nosso Pai celeste (Mt 5.48). Deus, o Pai, na Sua perfeição, tem prazer na obediência dos Seus filhos. Devemos ser maduros na fé, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas – Cristo Jesus. Guardemos no coração o que o Pai disse acerca do Filho: “Este é o meu Filho amado, de quem me agrado” (Mt 3.17).

Mesmo sendo imperfeitos, Deus nos usa para realizar a Sua obra. A Bíblia está cheia de exemplos de homens e mulheres imperfeitos que foram usados por Deus. Pessoas de origem humilde e sem cultura que revolucionaram o mundo, cujas vidas e mensagem chegaram até nós. É impressionante como a Bíblia não omite as falhas deles. Moisés reconheceu a sua incapacidade para realizar a obra de tirar o povo do Egito. Jeremias, profeta de Deus, considerou a sua incapacidade de pregar para um povo rebelde. Pessoas comuns que foram chamadas por Deus para um trabalho extraordinário, perfeito. O segredo do sucesso no cumprimento da Missão está em nossa confiança na suficiência do Senhor.

A implantação do Reino de Deus no coração do homem não foi conferida a anjos, mas a pessoas imperfeitas, incapazes, cheias de falhas e limitações. Este é o vívido testemunho do apóstolo Paulo: “Não que sejamos capazes de pensar alguma coisa, como se viesse de nós mesmos, mas a nossa capacidade vem de Deus. Foi Ele quem também nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; porque a letra mata, mas o Espírito dá vida” (2 Co 3.5). Só é possível realizarmos a obra de Deus pelo poder dEle, do Seu Espírito. O próprio apóstolo Paulo sempre testemunhou a sua fraqueza, suas limitações e sua incapacidade para proclamar o evangelho e plantar igrejas do Senhor Jesus Cristo. O trabalho espiritual demanda espiritualidade operada em nós pelo Espírito Santo. O Pai nos confiou a obra do evangelho e não podemos posterga-la.

A natureza geme aguardando a manifestação dos filhos de Deus (Rm 8.19). Esta manifestação deve ser essencialmente a pregação do evangelho de Cristo, que é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê (Rm 1.16). Então, a obra perfeita que o Pai nos legou é a obra de fazer Cristo conhecido em todas as nações, etnias e povos. Jesus nos deixou a chamada Grande Comissão: “E, aproximando-se Jesus, falou-lhes: Toda autoridade me foi concedida no céu e na terra. Portanto, ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo; ensinando-lhes a obedecer a todas as coisas que vos ordenei; e estou convosco todos os dias, até o final dos tempos” (Mt 28.18-20). Esta é a nossa tarefa essencial. É a obra perfeita realizada por homens imperfeitos, mas que confiam no amor, no poder e na fidelidade de Deus. A glória é sempre do Senhor, aleluia! (1 Co 10.31).

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.