Fé é uma palavra tão pequena, mas de uma importância muito grande. O escritor aos hebreus diz que sem ela é impossível agradar a Deus (Hb 11.6). É a certeza das coisas que se esperam e a convicção dos fatos que não se veem (Hb 11.1). O conceito de fé passa pela Palavra de Deus, pois esta é a sua semente (Rm 10.17). A fé é um dom de Deus para que creiamos nEle e na Sua Palavra. Revela, em Cristo Jesus, a salvação, a santificação e a glorificação. A salvação tem a ver com Cristo e a Sua obra na cruz em nosso lugar; a santificação tem a ver com o selo do Espírito Santo (Ef 1.14) e a consequente presença plena dEle em nós; e a glorificação revela que nós seremos perfeitos conforme a determinação do Pai e esta realidade acontecerá no céu, onde não haverá mais lágrimas, decepção, morte, enfermidade, angustia e limitações.

A experiência da fé é uma experiência de confiança na fidelidade de Deus. Que Ele cumprirá tudo o que prometeu na Sua Palavra revelada. Viver pela fé é experimentar cada dia o cuidado amoroso do Pai. É ter a certeza de que Ele fará o que determinou antes dos tempos eternos. Andar por fé é descansar na segurança de Deus Pai. Saber que nada nos poderá separar do Seu amor que está em Cristo Jesus, nosso Senhor (Rm 8.39). Abraão via o invisível com os olhos da fé e vislumbrava o filho da promessa. Jacó perseverou crendo nos atos de Deus na História do seu povo. José cria que o Pai tiraria o povo da escravidão do Egito. Todos os profetas de Deus viveram pela fé. Profetizaram no solo da fé. Foram fiéis a Yahweh sabendo que Ele agiria no momento oportuno. Criam que o Pai trabalha para aqueles que nEle esperam (Is 64.4).

Fé não é crença. Sabemos que a crença está atrelada à religião meramente formal e legalista. A fé, por sua vez, está intimamente ligada ao evangelho que liberta o homem e proclama o perdão de Deus em Cristo Jesus. A fé salvadora produz santificação e glorificação. Ela enseja obras que glorificam a Deus. A fé genuína não é estéril, mas ativa e produtiva. Por ela somos justificados e temos paz porque aponta para a suficiência da obra de Cristo na cruz e na ressurreição (Rm 5.1,2). A fé tem a capacidade de olhar para o ontem, o hoje e o amanhã. Olha para Jesus Cristo que é o mesmo ontem, hoje e eternamente (Hb 13.8). Vislumbra a esperança concretizada pela obra de Redentor. A fé traz benefícios inumeráveis para o cristão: Acalma o coração, produz uma mente saudável e uma disposição nova a cada dia. Ela elimina a ansiedade, pois o seu foco é o Reino de Deus e a sua justiça (Mt 6.33).

A experiência do crer vislumbra as possibilidades coerentes com a Palavra de Deus. Confia que Deus fará tudo segundo a Sua vontade soberana e para a Sua glória. A fé desenvolve em nós sintonia, sinergia e simpatia. Homens e mulheres de fé são coerentes em sua expressão. Tratados e sabem lidar com os outros. Criativos e proativos. A sua mente é renovada. As suas forças são multiplicadas. Há alegria em sua vida mesmo nas circunstancias mais difíceis. Paulo e Silas estavam presos, mas exerceram a sua fé ao cantar à meia noite, pois ela produz alegria. A fé enseja obediência. O exercício do crer glorifica a Deus. Revela a fortaleza de Deus e a fraqueza do homem em si mesmo. A autossuficiência de Deus e a insuficiência do homem. A independência de Deus e a dependência do homem (2 Co 3.5). Se desejamos dar prazer ao Senhor, deleite ao Seu coração, precisamos exercer a nossa confiança. Jesus nos ensinou que tudo é possível ao que crê porque a fé aponta para o poder incomparável de Deus. Exerçamos a nossa fé para a salvação dos perdidos, a edificação da Igreja de Jesus (e estamos incluídos aqui) e a glorificação do Deus Soberano, o galardoador dos que O buscam de todo o coração.

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.