DEUS: GOSTAR OU AMAR?

 

Há muitas pessoas em nossas Igrejas que gostam de Deus, mas não O amam. Apreciam o Senhor, mas não têm compromisso com Ele. Não dão fruto para Ele. Desejam tê-lO por perto, mas não O abraçam, não demonstram amor, não O honram e nem experimentam a segurança dEle. Quando um homem gosta de uma mulher não está preparado para casar com ela. Gostar é próprio de colega, mas amar é de amigo. Gostar é superficial, mas o amar é profundo. Jesus nos amou tanto que deu a Sua vida por nós na cruz. Ele quer que sejamos Seus amigos para fazermos o que Ele manda (João 15.13,14). O Senhor nunca usou o verbo ‘gostar’, mas sempre usou o verbo ‘amar’ na Sua relação com o homem pecador. Por isso, Deus AMOU o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho Unigênito para que os que crêem nEle tenham a vida eterna (João 3.16). Quem gosta não corrige, mas quem ama corrige. O nosso Pai é modelo de correção. Por nos amar, nos corrige (Hb 12.6). Quando gosto de alguém a minha tendência é não estar preocupado com a vida dele. Quando amo, peço a Deus para ser usado poderosamente para abençoar, orar por ele, orientar e ser companheiro nos momentos mais difíceis.

Gostar de Deus é viver uma vida de alienação. A percepção que a pessoa tem de Deus é fraca e viciada. Quando amamos, nós tememos a Deus. Reconhecemos a Sua Majestade. Descansamos na Sua Soberania. Nós O honramos de todo o coração. Temos prazer em fazer a Sua vontade. Esta vontade é para nós boa, agradável e perfeita (Rm 12.1,2). Tenho prazer na Sua Lei e nela medito dia e noite (Sl 119.97). O povo de Israel, os seus religiosos, gostavam de Deus, mas jamais O amaram. Gostar de Deus é focar o sistema religioso em detrimento da vida de Cristo em nós. Quando gosto de Deus, vivo uma vida de aparência, mas quando O amo permito que Ele examine o meu coração fraco, vacilante e perverso. Tenho prazer, gozo em adorá-Lo em espírito e em verdade como Jesus ensinou (João 4.24). Não quero gostar de Deus, mas amá-lO de todo meu coração, de toda a minha, com todo o meu entendimento e com todas as minhas forças (Mt 22.37-40). Foi isso que Jesus me ensinou. Sabemos que a melhor maneira de amar a Deus é por meio de Jesus Cristo, o Deus Filho encarnado.

Um exemplo clássico da diferença entre gostar e amar é a história de Jesus, a mulher prostituta e Simão, o fariseu, na casa deste. Aquele religioso não recebeu o Deus feito carne com honra, mas a prostituta sim. Ela comprou um perfume caríssimo e o derramou sobre os pés do Mestre (Lc 7.36-50), e os enxugou com os seus cabelos. Jesus mostrou claramente que Simão gostava dele, mas aquela mulher mal falada e mal amada pela sociedade, O amava. O sistema religioso nos ensina a gostar de Deus, mas o evangelho de Jesus nos ensina a amá-lO com as entranhas. Quando Jesus nos convida a negar-nos a nós mesmos, tomarmos a Sua cruz e O seguirmos, Ele espera o nosso amor. É interessante quando gostamos de alguém temos a tendência de uma amizade caracterizada pelos interesses. Gostar é condicional, mas o amar é incondicional. Deus não aceita ter conosco uma amizade meramente circunstancial, mas um amor que está acima do tempo. Ele nos amou eternamente em Cristo. O Seu relacionamento conosco não está baseado em nosso desempenho, mas na Sua maravilhosa graça, no Seu grande amor. Deus não gosta de nós, mas nos ama (Rm 8.38,39). Este texto fala que ninguém, nada nos poderá separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor. Após Pedro negar Jesus, este perguntou-lhe duas vezes se O amava. A sua atitude de negar a Jesus não era de quem O amava, mas de alguém que gostava. Gostar de Deus é relacionar-se com Ele com base na troca, no desempenho, mas amá-LO significa obedecê-lO e reconhecer Suas misericórdias concedidas a nós. Amarmos a Deus significa glorifica-lO em tudo o que fazemos. Paulo nos ensina: “Tudo o que vocês fizerem: comer, beber ou qualquer outra coisa, façam para dar glória a Deus” (1 Co 10.31). Há plena alegria em nosso coração quando O amamos!

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

1 comentário em “DEUS: GOSTAR OU AMAR?”

  1. Que lindo, Jacob. É verdade as nossas igreja estão cheias de gente que gostam de Deus, mas não o ama. Há uma grande diferença entre amar e gostar: Quem gosta de algo ou de alguém, gosta do que pode lhe oferecer algum beneficio ou prazer. Falando de modo grosseiro, quem ama explora, suga, se beneficia. Já o amor, é doação. Quem ama se doa, se entrega, se interessa, conhece a fundo. "O Amor é profundo". Com sua permissão, vou usar seu texto no sermão de domingo. Amplexo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.