ORAÇÃO (II)

 

A oração não é uma alternativa na vida do cristão, mas uma ordem de Deus. “Orai sem cessar” (1 Ts 5.17). Ela é essencial para o fortalecimento diário do crente. Não é possível viver a vida cristã sem a oração. Na verdade, a oração é um estilo de vida do cristão no Reino de Deus. Jesus sempre orava. Todos os autênticos líderes da Bíblia tinham na oração uma prioridade e, por isso, eram bem sucedidos. Muitos salmos são de autenticas orações que brotavam das entranhas dos salmistas, especialmente o rei Davi. A oração é um balsamo para a alma. Já se provou que a oração além de trazer saúde espiritual, traz saúde emocional e também física. Ela é um antidoto contra a ansiedade, a preocupação. Orar é descansar nAquele que tem todo o poder nos céus e na terra. O apóstolo Paulo dobrava seus joelhos para orar (Ef 3.14). O seu ministério foi regado e muito a oração. Para ele, orar era um deleite, um enorme prazer.

Quando oramos nós adoramos a Deus. Na verdade, a oração é o reconhecimento de que nada podemos, mas o Senhor tudo pode. Nela, nos curvamos diante da Majestade de Deus. Reconhecemos a Sua soberania. Na oração somos humilhados. Quando oramos nós também agradecemos. Como é precioso quando somos gratos por tudo que o Pai nos dá em Cristo (1 Ts 5.18). Gratidão é a melodia com a qual reconhecemos as dádivas do Pai. Na oração nós confessamos os nossos pecados (1 João 1.9). Confessamos a um Deus Fiel e Justo, que é o único que tem autoridade para perdoar pecados. Na confissão reconhecemos nossas mazelas, limitações e maldades. Na oração nós intercedemos por pessoas. Como é precioso (e Deus se agrada disto) orarmos uns pelos outros. Paulo pediu aos irmãos de Éfeso que orassem por ele (Ef 6.18,19). Interceder é estar na brecha lutando com o Senhor pelas pessoas. Deus se agrada quando vislumbra um cristão de joelhos ou em qualquer outra posição se importando com as pessoas sem Cristo. Mas orar é também fazer petições, ou seja, orarmos por nós mesmos. O altruísmo em Cristo leva o cristão a orar primeiro pelos outros. Aprendamos a servir a Deus servindo às pessoas pela via da oração perseverante.

Que oremos sem cessar, pois a nossa luta não é contra a carne, mas contra principados e potestades. Portanto, é uma luta espiritual (Ef 6.10-20). Temos um inimigo que não descansa. Quando oramos com sinceridade e intensidade o inimigo perde a sua força sobre nós e sobre aqueles pelos quais oramos. Ao intercedermos por pessoas a graça do Senhor basta para nós e para elas. Esta mesma graça nos fortalece e revela Cristo àqueles pelos quais oramos. O profeta Daniel é um belíssimo exemplo para nós. Diz a Palavra que “quando Daniel soube que o edital estava assinado, entrou em sua casa, no seu quarto, em cima, onde estavam abertas as janelas que davam para o lado de Jerusalém, e, como antes costumava fazer três vezes ao dia, ajoelhou-se, orou e deu graças diante do seu Deus” (Dn 6.10). Mesmo sendo alvo de injustiça por parte de líderes Medo-Persas, ele não retrocedeu e nem murmurou, mas confiou no seu Senhor e lhe deu graças. Esta é a postura de um homem ou uma mulher de oração. O nosso grande desafio é, no meio das duras adversidades, orarmos ao Senhor com gratidão. Valorizemos a oração, pois ela glorifica a nosso Pai que está no céu e entre nós pelo Seu Espírito.

Oswaldo Luiz Gomes Jacob , pastor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.