MAIS DIFICEIS E MAIS FÁCIL

Está cada vez mais difícil ser um cristão genuíno, autêntico e coerente. Também, ser um líder comprometido com as verdades do Reino de Deus, com as posturas inabaláveis de Jesus. Percebemos que está cada vez mais fácil ser um membro de igreja alienado e perigosamente comprometido com o mundo. Inicio esta reflexão abordando as duas coisas mais difíceis, mas que valem a pena. Primeira, ser um cristão genuíno, comprometido com o evangelho de Cristo. O Senhor não nos chamou para vivermos as facilidades de um mundo perdido e nem de uma religião de aparência, mas nos convocou a viver o Seu discipulado, tomar a cruz, seguí-lO e serví-lO de todo o coração (Mt 16.24-27). Ser cristão genuíno é buscar diariamente parecer-se com Jesus. Devemos andar como Ele andou (1 João 2.6). Paulo nos ensina que devemos ser imitadores de Cristo à semelhança dele (1 Co 11.1). O fato de ser cristão significa viver de forma ética – a maneira de viver do Reino de Deus (Mt 5 a 7). Viver como cristão é olhar para o alto (Cl 3.1-4) e para os lados na direção do próximo. Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Dizer não à mentira e falar sempre a verdade e em amor. Não amar o mundo e nem o que há nele. Exercer o verdadeiro jejum – deixar de comer para repartir com o próximo (Is 58.6-8). A segunda coisa que devemos considerar é ser um líder cristão. A realidade do líder é ser exemplo. Jesus ensinou a Seus discípulos a servirem, a lavar os pés uns dos outros. O líder cristão é servidor, tendo como fundamento o próprio Jesus Cristo, “que não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate de muitos” (Mt 20.28). Esta espécie de líder está comprometida com a obra da cruz e da ressurreição. Com a adoração e o serviço. Com o privilégio e a responsabilidade. Ele serve e ensina a servir com amor. Diz não à zona de conforto com a disposição de trabalhar duro, criar, inovar e perseverar nos projetos a partir do seu compromisso com os fundamentos do Reino de Deus. Ele está em constante reforma e reformando. À semelhança de Jesus, Ele é o líder-sofredor. O seu foco é Jesus, o Autor e Consumador da fé (Hb 12.1,2). Ele tem o amor de João, a intrepidez de Pedro e o espírito evangelístico-missionário do apóstolo Paulo. Ele está sempre revendo suas estratégias, sempre as ajustando no padrão de Jesus. Líder que trabalha dentro e fora da igreja sempre disposto a agradar o seu Senhor. Ele ama a Igreja. Sabe que foi pela Igreja que Cristo deu a Sua vida. Ele a amou e se entregou por ela. (Ef 5.25).

Está cada vez mais fácil ser apenas um membro de Igreja. Tem o nome no rol, mas a sua vida é apenas religiosa, descomprometida com os valores que Jesus ensinou e viveu durante a Sua curtíssima trajetória, os valores do Reino de Deus. Uma vida mundana, alienada e crítica em relação aos projetos de Deus, em Cristo, para a Sua igreja. Sabemos que ser membro de igreja não é garantia de estar no céu com o Senhor. Ser cristão e líder genuínos pressupõe compromisso com a Igreja do Senhor. Todo o cristão e todo líder têm prazer em ser membros da Igreja de Cristo. Sabemos que ser membro de igreja pode ser fazer parte de uma agenda meramente religiosa. Há muitos membros de Igreja, mas pouquíssimos cristãos e lideres cristãos comprometidos com a mensagem da cruz, que têm certeza de que morreram com Cristo e ressuscitaram com Ele para viverem a Sua vida. Está cada vez mais fácil ser membro de igreja, pois as mensagens em muitos púlpitos são água com açúcar, personalistas e apenas para o intelecto. Mensagens que excluem o pecado (afinal de contas falar de pecado é se tornar impopular e está se tornando ‘irrelevante’) porque os pregadores estão comprometidos com o ‘outro’ evangelho – da autoestima, prosperidade, pensamento positivo, mensagens emocionalmente positivas, indulgência e de relacionamentos sem ética. Estamos falando de membro de igreja ‘vale-tudo’. Não dá testemunho de Cristo e envergonha o evangelho. A Igreja se tornou apenas um compromisso social. Um ajuntamento de pessoas para um final de semana, tendo uma postura do ‘socialmente correto’. Sim, está cada vez mais fácil ser apenas um membro de Igreja, tomado pela filosofia de Demas, que era companheiro de Paulo, e amou o mundo, abandonando o apóstolo. Membro de igreja apenas, um religioso sem compromisso com Cristo. Que vive uma vida de ateísmo prático, isto é, como se Deus não existisse, sem compromisso ético, sem a percepção de que Deus é Santíssimo. Graças ao Pai o cristão autêntico e o líder cristão genuíno são membros da Igreja de Cristo e O servem servindo a igreja com amor e prazer. É muito melhor trilharmos o mais difícil, o caminho de Deus, o caminho estreito, apertado que conduz à vida. Que o Pai nos livre de sermos apenas membros de Igreja e que renove em nós a prática bíblica. Que Jesus seja sempre TUDO em nós (Cl 3.11), e que possamos estar comprometidos com o Seu evangelho até que Ele volte!

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.