O olhar de Jesus

O olhar de Jesus é incomparável. Olhar penetrante, além do comum. Extraordinário. Este olhar percebe as intenções que estão lá na divisão entre alma e espírito. O Seu olhar fixo em nós discerne as intenções do coração tão perverso e enganoso (Jr 17.9,10). Se o homem enxerga as ações, o Senhor Jesus vislumbra as intenções nos porões do subconsciente. O Seu olhar denuncia a nossa insuficiência e revela claramente a suficiência dEle. Bendito é o cristão que tem sobre si o olhar fixo do Mestre tão amável! Geralmente temos sido tão superficiais em nosso olhar. Muitas vezes olhamos o incerto.  Visualizamos o vazio. Temos muita dificuldade de olhar nos olhos da pessoa.  Visualizamos coisas, mas não as pessoas. Praticamos um olhar distante e atrelado aos nossos interesses pessoais. Colocamos nossos olhos acima dos outros. Olhamos as pessoas a partir do nosso pedestal arrogante e legalista. 

      

Simão Pedro teve uma profunda experiência com o olhar de Jesus. Foi na noite em que ele negou o Salvador. Jesus havia dito para ele que antes que o galo cantasse, ele O negaria três vezes. E foi o que aconteceu. A Palavra de Jesus sempre se cumpre em nossa historia tão eivada de incoerências. Somos como Simão Pedro, pois temos negado o Senhor Jesus com as nossas atitudes e com os nossos atos. Ele mesmo disse: “Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está distante de mim” (Mt 15.8). Há uma distancia enorme entre o que falamos acerca de Cristo e o que vivemos. A análise de Jesus é sempre perfeita. Ele nunca erra. Ele conhece a natureza humana. Natureza de víbora, de serpente e, conseqüentemente, dissimulada. Temos a tendência de trairmos ou negarmos uns aos outros porque em Simão Pedro (que possuía a mesma natureza) traímos o Mestre. Temos muita dificuldade de olhar o nosso próximo com amor e sinceridade. Empatia e simpatia. Enquanto Pedro estava sob os olhares dos escarnecedores e acusado por eles, não se sentiu culpado e negava conhecer o Mestre a cada abordagem. Ele estava se “aquecendo” na roda dos escarnecedores de Jesus e de Seu povo. Nenhum deles tinha um olhar tão sublime, penetrante e confrontador como o de Jesus. O Senhor olhou a menina dos olhos de Pedro e o fez ver o quanto ele era falso e arrogante. 

 

Mas o olhar de Jesus enseja quebrantamento, choro e arrependimento. Diz o texto que Jesus “fixou os olhos em Pedro, e este se lembrou da palavra do Senhor, como lhe dissera: Hoje, três vezes me negarás, antes de cantar o galo” (Lucas 22.61). O olhar de Jesus penetrou nas profundezas da sua alma e ele chorou amargamente (Lc 22.62). O pecado é amargo e traz amargura. Corrói. Insubordina o homem. Traz insensibilidade ao seu coração. Cauteriza a sua mente. Mas quando Jesus, na Sua perfeita justiça, olha o homem este teme e treme. Ocorre uma mudança radical em sua vida. Pedro nunca mais foi o mesmo. Ele foi tornado o apóstolo Pedro, cheio do Espírito Santo. O seu amor por Jesus foi às ultimas conseqüências. Ele agora amava mais a Cristo do que a sua própria vida. Sua vida em Atos e nas suas cartas é digna de ser lida. Ao lê-la descansamos na obra perfeita do Cristo perfeito na cruz. Vida em Cristo. Vida para Cristo. Um homem que era legalista foi tornado gracioso em toda a sua expressão profética e na sua missão pastoral ou apascentadora. 

 

Um homem quebrantado e moído pelo olhar de Jesus tem sido um exemplo positivo para nós. Não mais preocupado com o seu bem-estar, mas desejoso de fazer a vontade do seu Senhor. Devemos nos deixar olhar pelo Salvador. A Sua Palavra revelada é também a Sua sondagem. O Seu olhar deve penetrar o mais profundo do nosso ser e desencadear em nós um processo de semelhança com Ele. O maior privilégio do cristão é ser parecido com o Mestre. Aprendemos com Pedro a capacidade de recomeçar. A benção de chorar nossas mazelas. Chorar a “perda da nossa inocência”. Voltar para a estrada do Mestre e caminhar com Ele em fé, servindo às pessoas com o Seu amor. Buscar as coisas do alto onde Ele está assentado à direita de Deus cheio de amor e intercedendo por nós. A experiência de Pedro com Jesus é um bálsamo para as nossas chagas. É a demolição da nossa estrutura auto-suficiente e arrogante. É a edificação de uma nova vida, jogando por terra a nossa liturgia fria, sem nenhuma expressão de amor. Mas o amor de Jesus “tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1 Co 13.4-8). Então, ocorre a morte de uma religiosidade fria, hipócrita e insensível e, pela obra suficiente de Cristo na cruz, a ressurreição para uma nova vida de amor e perdão. De carinho e afeto. Recolhimento e acolhimento. Se pelo olhar do Mestre, Simão Pedro nunca mais foi o mesmo, o que está acontecendo conosco? 

4 comentários em “O olhar de Jesus”

  1. Realmente uma explanaçao diferente …colocada de um angulo mais facil de vislumbrar todo o significado do olha de Jesus, trocado com Pedro….e que nos remete a reflexao do perdao, do arrependimento, do recomeçar, d nos conhecermos intimamente….

  2. O interessante é que Jesus não atenta para a atitude propriamente dita, já que esta nem sempre revela o caráter do homem, Pedro realmente não queria negar a jesus, aquilo foi apenas um ato circunstancial, sendo assim, vemos Jesus dizendo a Pedro, apascenta as minhas ovelhas, ou seja eu te quero como pastor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.