Corda na barriga ou corda no pescoço?

Há elementos no ministério que têm envergonhado o Senhor Jesus – autor e modelo do ministério pastoral. Lideres que se apascentam a si mesmos, investindo em sua glória pessoal. Que estão mais comprometidos com a sua imagem do que com a imagem de Cristo em suas vidas. Elementos arrogantes e auto-suficientes, muito longe da humildade que Jesus ensinou (Mt 11.29). Homens, segundo Paulo, que são “inimigos da cruz de Cristo” (Fl 3.18).

Estes cidadãos estão com a corda na barriga, negociando princípios, fazendo vista grossa para o pecado dentro de casa e da igreja, motivados pela remuneração e outros benefícios. Homens alienados. Paulo diz que “o destino deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles está na sua infâmia, visto que só se preocupam com as coisas terrenas” (Fl 3.19).

É lamentável ver líderes tão megalomaníacos! Eles amam ser reconhecidos. Caçam elogios. Quando do seu aniversário, colocam a sua foto em outdoors para serem vistos e ovacionados pelos homens. Os falsos obreiros denunciados por Paulo são dissimulados, arrogantes e superficiais. Falam muito bem. São ‘jeitosos’. São profissionais do púlpito. Não têm coração sensível. Não têm paciência com as pessoas. Não alimentam as ovelhas. Andam amaciando a mensagem. Andam pregando outro evangelho. Não são profetas de Deus. Como ensina Judas, “estes homens são como rochas submersas, em vossas festas de fraternidade, banqueteando-se juntos sem qualquer recato, pastores que a si mesmos se apascentam; nuvens sem água impelidas pelos ventos; árvores em plena estação dos frutos, destes desprovidas, duplamente mortas, desarraigadas; ondas bravias do mar, que espumam as suas próprias sujidades; estrelas errantes, para as quais tem sido guardada a negridão das trevas, para sempre” (vv.12,13).

Este é o diagnóstico daqueles cujos ouvintes os seguram com uma corda na barriga, no ventre, por causa da sobrevivência no ministério pastoral. Que Deus, por Sua graça e misericórdia, nos livre desta corda na barriga, da zona de conforto e da infâmia do profissionalismo frio. É triste dizer que estes elementos não estão comprometidos com a oração e nem com a Palavra de Deus. A mensagem da cruz passou longe deles. Aliás, esta é uma mensagem impopular. Para quem tem a corda na barriga, o negócio é pregar de tal maneira que o povo se sinta sempre confortável e entre pelo caminho da mera prosperidade material.

Mas é infinitamente melhor ter a corda no pescoço, puxada por enforcadores  insatisfeitos com a mensagem do evangelho bíblico, com a exortação e a confrontação profética. Não podemos abrir mão do nosso compromisso com o Senhor, com a mensagem da cruz (1 Co 1.18). Não fomos chamados para a popularidade, mas para, acima de tudo, ter um compromisso com o Senhor, mesmo que paguemos com a vida.

João Batista perdeu a sua cabeça física, foi degolado, porque havia denunciado o pecado de Herodes Antipas com a sua cunhada, mulher de seu irmão. João não tinha corda na barriga, mas no pescoço. O seu compromisso era com o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1.29). Ele amou mais o Senhor do que a sua própria vida. Um homem comprometido com a verdade do evangelho e alimentado pela graça, sendo um homem denso e intenso na sua labuta e na sua relação de intimidade com o Senhor.  

José é outro precioso exemplo de alguém que sabe dizer não ao pecado e sim para Deus. Ele foi para prisão sendo acusado injustamente de assédio sexual pela mulher de Potifar. São homens desta envergadura que precisamos no ministério pastoral. Homens cheios do amor do Pai, da graça de Cristo e do poder do Espírito Santo. Que negam a si mesmos, tomam a cruz, seguem e servem ao Senhor Jesus com profunda alegria. Suas entranhas fervilham amor pelo Senhor e pelas almas. Vivem a integridade do Espírito Santo. Há contentamento em servir ao Senhor.

Deus requer de nós, pastores, seriedade na missão dada por Ele. Este é um tempo de muita confusão no seio da igreja evangélica brasileira. Há muitos ministérios personalistas, antropocêntricos. Quando Spurgeon pregava, as pessoas diziam: ‘Que Cristo maravilhoso!’. Por quê? Porque a mensagem do chamado príncipe dos pregadores tinha o Senhor Jesus Cristo como o centro e como a razão da sua vida e do seu ministério.  Era um homem que, à semelhança de Paulo, pregava a Cristo, e este crucificado. Toda a honra e toda a glória são de Cristo, o Senhor. O que deve atrair o povo para os santuários é a mensagem cristocêntrica tão excelentemente exposta na Palavra. Como precisamos pregar o evangelho a partir da nossa própria vivência em Cristo!

A Igreja necessita de sermões que sejam fruto de vidas no altar, de homens que amam ao Senhor mais do que a si mesmos. Que exalam o bom perfume de Cristo nos que se salvam e nos que se perdem. Mensagens coerentes a partir de pregadores que vivem a coerência de Cristo. Os sermões devem ser bem elaborados, pesquisados e caprichados, mas sempre com a chancela do Espírito Santo.

Não tenhamos medo da corda no pescoço. O Pai tem prazer nos Seus filhos que andam na integridade do ministério profético dado por Ele, em Cristo Jesus, antes da fundação do mundo. Vivamos, pois, a coerência de Cristo e não tenhamos receio da corda no pescoço e isto para a Glória de Deus Pai!

1 comentário em “Corda na barriga ou corda no pescoço?”

  1. Rômulo Rangel Pinto -

    Prezado Pastor, a Paz do Senhor Jesus Cristo.

    Infelizmente determinados líderes que se preocupam consigo próprio, contribuem que as ovelhas venham se perder do seu pasto para as sustentar-se e alimentar-se; deixando-as sem o alimento e água da vida, sem direção ao aprisco eterno e sem a proteção contra o inimigo de suas almas. Tornando-as assim Ovelhas sem Pastor.

    Que DEUS continue confiando a ti o seu ministério com fidelidade e zelo no nome do senhor Jesus Cristo.

    Rômulo vizinho de sua irmã Osli e Jairo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.