Ser João Batista

“Mas virá alguém mais poderoso do que eu, cujas correias das sandálias não sou digno de desamarrar” (Lucas 3.16b- NVI)

João Batista me impressiona pela sua capacidade de submissão à liderança de Jesus. Ele reconhecia em Jesus o seu líder por excelência. Nunca quis ser Jesus, nunca quis tomar o lugar dele, mas a sua vida foi um exemplo de obediência. Era um servo menor que estava debaixo da autoridade do Servo Maior. Tinha convicção de que Jesus era o Deus encarnado e manifestava a Sua glória. “A Palavra tornou-se carne e viveu entre nós. Vimos a Sua glória, a glória como do Unigênito vindo do Pai, cheio de graça e de verdade” (João 1.14 – NVI). João Batista era um líder que sabia ser liderado. Aliás, o verdadeiro líder tem esta postura. É na condição de servo que ele revela a sua autoridade espiritual.

A relação João Batista-Jesus é um modelo de relação entre o co-pastor e o pastor.  Então João Batista é um modelo de pastor-auxiliar, que sabe muito bem a sua posição, o seu compromisso ético em relação ao Senhor, à Igreja e ao pastor-titular . Os insatisfeitos com o pastor titular, muitas vezes, procuram o pastor auxiliar para comentários que não edificam, para se queixarem do trabalho dele e para buscar mais atenção. Cabe ao pastor auxiliar não dar ouvidos àqueles que têm a intenção de criarem um clima de desrespeito, de desconfiança e de esvaziamento da liderança do pastor titular. Este tipo de atitude prejudica a vida da Igreja e tem implicações muito sérias.

O que se requer do pastor auxiliar é uma atitude de profundo respeito e consideração pelo seu líder e pela sua igreja. Procurar sempre ser leal. Ser autêntico. Sincero. Não aceitar comentários sobre o pastor titular. Deve haver uma unidade relacional e, conseqüentemente, funcional entre os dois ou mais obreiros. A relação de amor fraterno entre os ministros trará alegria para a Igreja. Contribuirá para a unidade da Igreja, para a sua qualidade e para o seu crescimento. João Batista sempre valorizou Jesus. Ele sabia que o Reino não pode ser dividido. Sintonia deve ser a tônica dos ministros que servem ao Senhor, servindo à Sua Igreja.

Jesus e João Batista sabiam que eram servos. Mas João Batista sempre reconheceu o seu lugar de servo de Jesus dentro do Reino de Deus. “Este foi o testemunho de João, quando os judeus de Jerusalém enviaram sacerdotes e levitas para lhe perguntarem quem ele era. Ele confessou e não negou; declarou abertamente: ‘Não sou o Cristo…Este é aquele a quem eu me referi, quando disse: ‘Vem depois de mim um homem que é superior a mim, porque já existia antes de mim” (João 1.19,20; 30- NVI). O seu lugar era o segundo. Lugar de obediência. Lugar de honra a Jesus. Jesus era o primeiro para ele. Jesus ocupava um altíssimo lugar na sua vida, quando declarou: “É necessário que Ele cresça e eu diminua” (João 3.30 – NVI).  Ele tinha consciência de que seu ministério era ser o auxiliar de Jesus. Que privilégio! Que honra! Ele veio preparar o caminho para Jesus. Que ministério maravilhoso, sublime e grandioso servir ao Senhor servindo à Igreja e auxiliando o seu líder!

Que Deus seja louvado pela vida dos pastores titulares e pastores auxiliares! Que sejam eles encontrados servindo ao Senhor e um ao outro. Que sejam achados vivendo a harmonia do Espírito Santo. Sejam achados trabalhando para que o nome de Jesus seja conhecido de todas as nações. Que a sua relação seja um referencial de amor fraterno, sintonia, ética e submissão ao Senhor objetivando a salvação de vidas, a edificação da Igreja e a Glória do nosso Grande Deus.

5 comentários em “Ser João Batista”

  1. Muito bom.

    É ótimo ter acesso aos escrito do meu amigo Pr.Jacó, que com sua mente brilhante e excelente coração irá com certeza enriquecer a todos quantos acessarem este seu bloc.
    Parabéns.

  2. andré antonio dos santos

    João batista, o nazireu sempre cativou a minha atenção tanto pela sua postura quanto pelo seu protesto visual contra a ostentação.
    Gostaria que soubesse que esta perspectiva desenvolvida neste artigo – a figura do auxiliar que sabe o seu lugar, edificou em extremo a minha vida.

    Ir. André Antonio dos Santos.

  3. Tenho um profundo apreço por João Batista, ainda não tinha observado sua vocação como Pr Auxiliar, muito bem colocado. João foi o típico ator quadjuvante que brilha no começo do filme e sabe muito bem a hora de sair de cena e dar lugar ao ator principal. Não era de se esperar que Jesus declarasse de público que dos nascidos de mulher ninguém nessa terra seria maior que João Batista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.