// você está lendo...

Sem categoria

SIM, SIM; NÃO, NÃO!

Este ensino de Jesus é atualíssimo (Mateus 5.37). Na era das Fake News, este princípio de Jesus cai como uma luva. O Mestre sempre foi muito autêntico, sincero e coerente em suas palavras, em Sua vida como um todo. Ele era muito incisivo com os escribas e fariseus, religiosos de carteirinha, que diziam uma coisa e viviam outra bem diferente. O Senhor os chamou de sepulcros caiados. Eram bem trajados por fora, mas podres por dentro (Mateus 23.27). A vida deles era uma incoerência ambulante. Os falsos profetas e os mercenários da religião são assim também. A religião é um solo fértil para a hipocrisia, o engano, e toda a sorte de esquizofrenia confessional. A sociedade de um modo geral tem aprendido a mentir descaradamente. Há muitos negócios que são calcados na mentira. Os esquemas desse mundo estão alicerçados no estilo “faz de conta”. As pessoas são dissimuladas. Especialistas no fingimento. É neste ambiente que surge a corrupção.

No cristianismo autêntico o sim, sim; não, não, é uma prática recorrente. O cristão não tem prazer no jeitinho, na mentira, falsidade e toda a forma de engano. Ele está comprometido com a verdade porque Jesus é a verdade como fundamento, trazendo liberdade ao que crê em Sua suficiência (João 14.6; 8.32,36). A vida cristã é caracterizada pela verdade nua e crua. Doa a quem doer. Não há meias palavras, mas palavras inteiras. Não existem meias verdades, mas verdade. Este principio deve nortear sempre as nossas vidas como crentes em Jesus! Pautar os nossos relacionamentos pessoais e corporativos.

É prazeroso lidarmos com pessoas verdadeiras e coerentes em tudo o que fazem. Elas são muito escassas em nossos dias. As pessoas corretas, íntegras, são perseguidas, alijadas, alvos de preconceito por uma sociedade acostumada ao erro e a falcatruas. O politicamente correto é a linguagem em muitas sociedades e corporações, e até em comunidades eclesiais. Os relacionamentos são construídos na desconfiança e na falta de credibilidade. As pessoas não cumprem o que prometem. Não honram os seus compromissos. São dispersas, vazias e fúteis.

O Senhor Jesus Cristo sempre será o nosso modelo de autenticidade, coerência, integridade, atenção, valorização, motivação, encorajamento, engajamento, reconhecimento, amor e compaixão. Como Ele dava valor às pessoas! Como era empático em relação aos párias da sociedade espartana. Ele não olhava a aparência, mas o coração. O seu olhar não era simplesmente exterior, mas interior. Ele veio para salvar os pecadores (Mateus 1.21). O Verbo se fez carne e habitou entre nós para nos transformar de mentirosos, hipócritas, incoerentes e odiosos; em pessoas verdadeiras, sinceras, coerentes e amorosas. A mudança que Ele opera é sempre radical. Ele não realiza mudança parcial, mas total. Por esta razão, o apóstolo Paulo afirmou: “Se alguém está em Cristo, nova criatura ou criação é, as coisas velhas já passaram e eis que tudo se fez novo” (2 Coríntios 5.17).

Precisamos ser verdadeiros em relação a nós mesmos e aos outros. As informações devem ser sempre verdadeiras, revestidas de autenticidade. A nossa fonte é cristalina. O nosso Deus é o Deus de toda a verdade, pois “Ele é Justo e Verdadeiro em todos os Seus caminhos e benigno em todas as Suas obras” (Salmos 145.17). Somos filhos de um Deus que preza em extremo a verdade. Não somos filhos “mais ou menos”, mas filhos semelhantes ao Pai.

Jesus nos ensinou que a nossa palavra deve ser sempre “sim, sim; não, não”, pois o que disto passar é do maligno. Os escribas e fariseus foram considerados filhos do diabo porque viviam meias verdades, hipocritamente, na contramão do Deus no qual diziam crer. A fé que vem de Deus, presente da Sua graça (Efésios 2.8,9), não compactua com a mentira, mas com a verdade. A fé salvadora é coerente. Jesus morreu de coerência (Lucas 19.10). Sim, coerência por causa da Sua obediência ao Pai e do Seu amor por nós (João 15.13,14). O amor de Deus em nós não convive com a mentira. Tudo o que é verdadeiro deve tomar a nossa mente e o nosso coração (Filipenses 4.8). Sejamos verdadeiros sempre para o testemunho do Evangelho e para a glória de Deus!

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

Compartilhe e Aproveite:
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • del.icio.us
  • Live
  • Technorati
  • LinkedIn
  • Sphinn
  • email
  • Facebook

Comente