// você está lendo...

Sem categoria

FAKE news

O que significa? Notícias falsas (tradução do termo em inglês, amplamente utilizado também na mídia lusófona) são um tipo de imprensa marrom que consiste na distribuição deliberada de desinformação ou boatos via jornal impresso, televisão, rádio, ou ainda online, como nas mídias sociais. Este tipo de notícia é escrito e publicado com a intenção de enganar, a fim de se obter ganhos financeiros ou políticos, muitas vezes com manchetes sensacionalistas, exageradas ou evidentemente falsas para chamar a atenção. O conteúdo intencionalmente enganoso e falso é diferente da sátira ou paródia. Estas notícias, muitas vezes, empregam manchetes atraentes ou inteiramente fabricadas para aumentar o número de leitores, compartilhamento e taxas de clique na Internet. Neste último caso, é semelhante às manchetes "clickbait", e se baseia em receitas de publicidade geradas a partir desta atividade, independentemente da veracidade das histórias publicadas. As notícias falsas também prejudicam a cobertura profissional da imprensa e torna mais difícil para os jornalistas cobrir notícias significativas (Wikipedia, pesquisa feita em 18.08.2018).

As Fake news são responsáveis por linchamentos, casamentos desfeitos, brigas em família, assassinatos, inimizades, desconstrução de caráter, perdas de eleição, prejuízo nos negócios e tantas outras sequelas para a imagem pessoal. Elas têm sido espalhadas como sementes do mal. Na verdade, são mentiras produzidas por corações maus e perversos (Jeremias 17.9,10). Sabemos que o diabo, segundo o Senhor Jesus, é o pai da mentira (João 8.44). As Fake news sempre existiram em menor escala, mas com a internet elas se agigantaram, tomaram proporções imensas e se espalham numa velocidade jamais vista. Há uma amplificação gigantesca das notícias falsas. Há muitas pessoas que lucram com as Fake news. Olhemos para o diagnóstico de Davi quanto a maldade do homem: “Desviam-se os ímpios desde a sua concepção; nascem e já se desencaminham, proferindo mentiras” (Salmos 58.3). Escrevendo a Timóteo, o velho apóstolo Paulo o alerta, dizendo: “Sabe, porém, isto: Nos últimos dias sobrevirão tempos difíceis; pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem (2 Timóteo 3.1-3).

As fake news transformaram-se em uma grave questão de saúde pública. Por redes sociais, sites de busca e aplicativos de mensagens espalham-se milhares de receitas infalíveis, alimentos superpoderosos, estudos inexistentes ou distorcidos e outras enganações. O Ministério da Saúde, que monitora notícias falsas desde o surto da gripe H1N1 em 2009, montou no ano passado uma equipe com a função exclusiva de escarafunchar, ao longo do dia, tudo o que é publicado sobre enfermidades na web. Em 2017, o time identificou 2 200 invenções. No primeiro semestre deste ano, cerca de metade disso já caiu no pente-fino. O mais perverso: doenças graves, que assolam e matam milhões de brasileiros, são justamente as mais usadas para fisgar leitores desavisados. Um levantamento inédito feito por VEJA recolheu 3 000 notícias sobre saúde em seis páginas do Facebook que se notabilizaram por difundir falsidades na área da medicina. Destas, VEJA selecionou cerca de 1 000 que tiveram maior número de compartilhamentos. Entre elas, descobriu-se, com a ajuda de médicos consultados pela revista, que cerca de um terço divulgava falsidades inquestionáveis. Os temas mais frequentes na lista de fake news foram dieta para emagrecer, câncer e diabetes. O Facebook argumenta que trabalha em parceria com agências de checagem de dados e universidades para identificar mentiras na rede e reduzir o alcance dessas publicações. Claramente, é um trabalho que deixa a desejar (Epidemia de Mentiras Página de Veja na internet de 06.07.2018, pesquisada em 19.08.2018).

Precisamos ter muito cuidado quando recebemos notícias pelas redes sociais. Não devemos repassá-las sem antes verificarmos a sua procedência e veracidade. Vivemos numa aldeia global altamente sofisticada para o mal. A nossa luta é contra inimigos visíveis e invisíveis. As Fake news revelam o que o Senhor Jesus asseverou acerca do diabo: ele vem para matar, roubar e destruir (João 10.10). A chamadas notícias falsas ou os boatos têm objetivos claros: produzir insegurança, pânico, medo, pavor e criar um ambiente de desconfiança cristalizado. As mentiras veiculadas pelas redes sociais são fruto de pessoas más, perversas, imorais, hipócritas, fúteis, indignas de confiança, frias e sem amor. Na verdade, são terroristas que semeiam o pavor entre as pessoas. As pessoas comprometidas com as notícias falsas ou com os boatos são acometidas de uma cardiopatia congênita, ou seja, são portadoras de um coração doente, que maquina o mal contra o próximo.

Como combater as Fake news? Vivendo e ensinando sempre a verdade. Criando uma rede social com pessoas íntegras, do bem, comprometidas com a verdade. Verificando criteriosamente a procedência das informações. Temos um compromisso de alertar as pessoas quanto às notícias falsas. O Senhor Jesus sempre ensinou a verdade. Ele é a verdade revelada (João 14.6). Paulo nos orienta quanto ao uso da mente, procurando sempre pensar no que é verdadeiro, puro, justo, amável, de boa fama e com virtude (Filipenses 4.8). Que não sejamos tomados pelo medo dessas notícias, pois há uma promessa de proteção da parte de Deus para nós (Isaías 54.17). Temos um Advogado muito eficiente e poderoso que cuida de defender-nos (1 João 2.1,2). Semeemos as Real news (notícias verdadeiras) para combatermos as Fake news (notícias falsas).

Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.

Compartilhe e Aproveite:
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • del.icio.us
  • Live
  • Technorati
  • LinkedIn
  • Sphinn
  • email
  • Facebook

Comente